A Origem do Sorvete


Nos climas quente e húmidos é natural desenvolver-se o gosto por bebidas frescas e por alimentos frios como o sorvete.

Seja num cone ou num copo, o sorvete é absolutamente agradável a qualquer hora do dia e em qualquer ocasião.

Apesar da origem exacta do sorvete não ser possível de determinar, existem registos históricos que nos dão uma visão do seu aparecimento.

Segundo a história, já no século I o imperador romano Nero comia uma mistura de sorvete doce que era feito com a neve e o gelo transportado das montanhas para Roma. O gelo era misturado com coberturas de frutas tendo-se tornado numa sobremesa favorita das elites daqueles tempos.

Mais tarde, entre 618 e 697, o imperador chinês King Tang usava um método semelhante mas misturava leite com o gelo, ficando assim uma espécie de sorvete parecido com os actuais.

Este hábito de misturar gelo com as sobremesas foi trazido para a Europa pelo explorador veneziano Marco Polo, quando voltou da sua famosa viagem ao Oriente com uma receita para fazer sorvetes de água.

Surgiram assim novas receitas de misturas geladas com leite e outros ingredientes aromáticos que eram servidos principalmente nas cortes reais francesa e italiana.

No século 17, quando o monarca Francisco I esteve em campanha na Itália, decidiu levar para seu filho, o Duque de Orleans, uma noiva, Catarina de Médicis. A ela atribui-se a introdução do sorvete em França. Neste mesmo país, em 1660, Procopio Coltelli inaugurou, em Paris, a primeira sorveteria do mundo.

A neta de Catarina de Médicis casou-se em 1630 com Carlos I da Inglaterra e, segundo a tradição da avó, também introduziu o sorvete entre os ingleses. Mais tarde os colonizadores britânicos levaram o sorvete para os Estados Unidos onde este tipo de sobremesa rapidamente ganhou a mesma aceitação que na Europa.

Personalidades americanas como Thomas Jefferson, George Washington e outros, serviam-na aos seus convidados.

Em 1776, a cidade de Nova York já tinha o seu próprio salão de sorvetes clássico, tendo-se começado a instituir pela primeira vez o termo “ice cream”, que derivou de “iced cream”.

Nos climas quente e húmidos é natural desenvolver-se o gosto por bebidas frescas e por alimentos frios como o sorvete.

Seja num cone ou num copo, o sorvete é absolutamente agradável a qualquer hora do dia e em qualquer ocasião.

Apesar da origem exacta do sorvete não ser possível de determinar, existem registos históricos que nos dão uma visão do seu aparecimento.

Segundo a história, já no século I o imperador romano Nero comia uma mistura de sorvete doce que era feito com a neve e o gelo transportado das montanhas para Roma. O gelo era misturado com coberturas de frutas tendo-se tornado numa sobremesa favorita das elites daqueles tempos.

Mais tarde, entre 618 e 697, o imperador chinês King Tang usava um método semelhante mas misturava leite com o gelo, ficando assim uma espécie de sorvete parecido com os actuais.

Este hábito de misturar gelo com as sobremesas foi trazido para a Europa pelo explorador veneziano Marco Polo, quando voltou da sua famosa viagem ao Oriente com uma receita para fazer sorvetes de água.

Surgiram assim novas receitas de misturas geladas com leite e outros ingredientes aromáticos que eram servidos principalmente nas cortes reais francesa e italiana.

No século 17, quando o monarca Francisco I esteve em campanha na Itália, decidiu levar para seu filho, o Duque de Orleans, uma noiva, Catarina de Médicis. A ela atribui-se a introdução do sorvete em França. Neste mesmo país, em 1660, Procopio Coltelli inaugurou, em Paris, a primeira sorveteria do mundo.

A neta de Catarina de Médicis casou-se em 1630 com Carlos I da Inglaterra e, segundo a tradição da avó, também introduziu o sorvete entre os ingleses. Mais tarde os colonizadores britânicos levaram o sorvete para os Estados Unidos onde este tipo de sobremesa rapidamente ganhou a mesma aceitação que na Europa.

Personalidades americanas como Thomas Jefferson, George Washington e outros, serviam-na aos seus convidados.

Em 1776, a cidade de Nova York já tinha o seu próprio salão de sorvetes clássico, tendo-se começado a instituir pela primeira vez o termo “ice cream”, que derivou de “iced cream”.

 

 

Fonte: origemdascoisas.com