Profiterole, carolina, ecláir ou bomba?


A famosa Carolina é uma adaptação brasileira do profiteroles.

Ambas são moldadas em forma de bola, podendo ser recheadas com sorvete, creme de baunilha, doce de leite ou creme de chocolate, por exemplo. Pode ser servida como uma sobremesa recheada, com calda de chocolate ou como uma sobremesa individual.

O nome Bomba é conhecido no Brasil, pelo fato da primeira mordida o doce estourar na boca com recheio bem cremoso. Na maioria dos países o doce é reconhecido pelo nome em francês “Ecláir”.

Onde tudo começou

A massa quente, e levemente ressecada, teve sua origem no século XVI na França. A invenção é atribuída ao chef italiana Penterelli, chef principal da corte de Catarina de Medici. O sucessor de Penterelli, modificou a receita, criando pequenos doces recheados com geleias de frutas, ou “poupelins”. Mas foi no século XVIII que passou a ser conhecida como pâte à choux.

Antonin Carême aperfeiçoou a receita e criou o profiterole, que foi muito difundida na França e na Inglaterra na segunda metade do século XIX.

Profiteroles são tradicionalmente conhecidos como uma sobremesa feita com bolinhos de massa choux recheados com sorvete de baunilha e servidos com calda de chocolate quente. Um jogo de contrastes e texturas que vem sendo modificado ao longo dos tempos, recebendo recheios e apresentações variadas. Mas nem sempre foi assim…

No século XVI, “profiterolle” significava um pequeno lucro recebido pelo agregado familiar como uma recompensa, como evoca Rabelais em sua novela Pantagruel: “Profiterolle des indulgences”. Esta gratificação modesta toma uma forma um tanto incomum: é uma pequena bolinha de massa de pão cozido nas cinzas e geralmente jogado em uma “sopa profiterolles”.

Em 1690, o profiterolle é oficialmente listado como “pão escavado, recheado com béatilles (miúdos) e cozidos em uma sopa”. Até Antonin Carême, em 1850 criar a versão que daria início ao profiterole atual: uma massa choux recheada com creme chantilly. O criador da ideia de rechear a massa com sorvete e cobrir com calda de chocolate.

Fonte: http://www.certosabor.com.br/