Rabanada: você sabe qual a origem do prato famoso da ceia de Natal?


Uma influência europeia, com certeza, mas qual?

Apesar dos nomes curiosos, estamos falando das famosas rabanadas! Fatias grossas de pão amanhecido (ou pão de rabanada, chamado Pão Bengala, mais seco e com bastante miolo), mergulhadas no leite e leite condensado, passadas em ovos batidos, fritas em óleo e servidas com canela e açúcar polvilhados. Algumas versões mais requintadas servem com vinho do Porto, frutas vermelhas ou creme inglês.

O nome “fatia de parida” para a rabanada  surgiu de uma história que conta que esse doce aumentava a produção do leite materno durante a gravidez! Já imaginou que maravilha?

A Rabanada era assim chamada por causa de uma lenda: Uma mulher pobre, sem ter quase nada para comer, precisava alimentar seu filho recém nascido. Seu único alimento eram restos de pão dormido molhados com leite adocicado. A mulher teve tanto leite que amamentou seu filho e ainda sobrou pra amamentar outras crianças também! Dessa forma, a rabanada acabou virando símbolo de prosperidade e fartura, sendo servida nas festas de fim de ano.

E você sabe de onde veio essa gostosura? Quem teve tal ideia maravilhosa de pegar pão amanhecido e transformá-la em uma deliciosa sobremesa obrigatória no Natal?

Diz-se que foi criada para reaproveitar o pão amanhecido, alimento sagrado por representar o corpo de cristo para os católicos. Sua origem sempre leva à Portugal, mas em todo o mundo é possível encontrar variações da rabanada, como o “Eggy Bread” na Inglaterra, o “French Toast” nos EUA, e o “Pain Perdu” na França. Isso mostra que é muito mais provável existir uma forte influência francesa na origem da rabanada do que uma influência portuguesa.

Claro que os portugueses trouxeram a receita para o Brasil que, rapidamente, se espalhou e tomou conta do Natal. E, mesmo tendo perdido espaço para o panetone por exemplo, ainda hoje a rabanada é muito famosa em diversos estados, sendo o Nordeste o maior consumidor.

 

 

Fonte: anamariabraga.globo.com